Bem Ditas Sejam

 Bem Ditas Sejam

BH, 22.05.2018, terça-feira, quase 20:00 h.

Hoje, e a partir de, talvez, não seja mais um dia qualquer, dos dias deste waldemas.com.

Não se tratou de nenhuma desconsideração de minha parte. Mas, no tocante à inclusão de assuntos neste site, nada demovia minha desvontade de fazê-lo. Primeiro, por não ter sido um desejo de origem. Quando disse aos consultores para saltarem a parte do site, ouvi que fazia parte do pacote da Secretaria ao qual se habilitara o Projeto. Projeto que, para mim, reverenciava apenas a publicação do livro, se aprovado fosse. Um site financiado pelos dinheiros de todos os aqui residentes e que por aqui passaram, vindos de outras cidades, estados e países… Um anonimato impossível de, na minha limitada compreensão, ser retribuído. Leve-se em conta a parcela contribuinte livrada do acesso a este meio. Ela, sim, a mais onerada por imposto daquilo que mais aprecia: a marvada e o pito.

De minha mirada, tudo se me revelava de reduzida importância ou nenhuma valia a publicação pessoal, apenas. Seria, no meu enviesado viés: mais um fazendo uso da esburacada túnica filosófica. Sob ela, vazado por todos os buracos da importância de minha publicação o séquito delirante da impoluta vaidade. Com total fastio, mantive o waldemas.com, até então, sob as bênçãos das abnegadas mulher e filha. Não li o Tutorial tão cuidadosamente elaborado para a mais tenra idade de aventureiros no ramo (e como é difícil escrever fácil!). Na verdade, morri de medo de entender alguma coisa daquela patranha e o trem me pegar pelo pé. Surrupiu ao momento, pedido de perdão aos seus abnegados autores Jorge e Juliana.

Depois do abensonhado café da tarde com minhas amadas, já reverenciadas, dirigindo-me ao computador, meditava sobre nossas falas. Simultâneos e espontaneamente, afloraram-me vislumbres de nossos debates mentais. Consistentes esses, em último, na mantença de atenta vigilância sobre a

Mãe e filho

utilidade de tais conversas nesta cerrada caatinga eletrônica. Mesmo considerando que dali não se emanou a mínima novidade, ainda que “em volta daquela mesa”, que não se pudesse dilatar para além, vencera-me a tonicidade e a forma generosa do partilhado. Cada qual expondo sua biblioteca pessoal, deixando ao outro o sabor de acolher ou simplesmente deixar passar as palavras soltas no ar.

Diante da tela, concluí: faltou-me, certamente, a força da escancarada liberalidade com a qual lida o Poeta Ricardo Aleixo. Sua mãe, de saudosa memória, ao entregá-lo ao mundo e, sem mais ter o que lhe dar, ensinou-o a jogar palavras ao vento. Bendita função que o bem dito Ricardo Aleixo cumpre tão bem no diário de nossas vidas, qual contrito semeador*: “eu jogo palavra no vento e fico vendo ela voar”¹. Ora, pois, então que voe em primeiro o nosso bardo maior.

Bendita ação: palavras ao ar! Que tudo mais seja bem dito!

Waldemar Euzébio Pereira

¹Palavrear. In “pesado demais para a ventania”: Antologia Poética, Ed. Todavia, SP, 1ª Ed. 2018, pags. 109/111.

*Expressão em poema inédito de nossa autoria.

 Palavrear

Ricardo Aleixo

Minha mãe me deu ao mundo                                                               Ainda ontem, lá em casa

e, sem ter mais o que me dar,                                                                 me sentei pra conversar

 

me ensinou a jogar palavra                                                                      com as minha duas meninas

no vento pra ela voar.                                                                               e desatei a lembrar

 

Dizia: “Filho, palavra                                                                                 de casos que a minha mãe

tem que saber como usar.                                                                        se esmerava em contar

 

Aquilo é que nem remédio:                                                                        com luz de lua nos olhos

cura, mas pode matar.                                                                               enquanto cozia o jantar.

 

Cuide de pedir licença,                                                                               Não era bem pelo assunto

antes de palavrear,                                                                                      que eu gostava de escutar

 

ao dono da fala, que é                                                                                   aquela voz que nasceu

quem pode lhe abençoar                                                                               com o dom de se desdobrar

 

e transformar sua língua                                                                                 em vozes de outras eras

em flecha que chispa no ar                                                                              que tornarão a pulsar

 

se o tempo for de guerra                                                                              sempre que alguém, no vento,

e você for guerrear                                                                                        outra palavra jogar.

 

ou em pétala de rosa                                                                                      Gostava era de ver

se o tempo for de amar.                                                                                   a voz dela inventar

 

Palavra é que nem veneno:                                                                             mundos inteiros sem quase

mata, mas pode curar.                                                                                      nem parar pra respirar

 

Dedique a ela o cuidado                                                                                    e ganhar corpo e fazer

que se deve dedicar                                                                                           minha cabeça rodar

 

às forças da natureza                                                                                         como roda, ainda hoje,

(o bicho, a planta, o ar),                                                                                      quando, pra me sustentar,

 

mesmo sabendo que a dita                                                                                  eu jogo palavra no vento

foi feita pra se gastar,                                                                                           e fico vendo ela voar

 

que acaba uma, vem outra                                                                                   (eu jogo palavra no vento

e voa no seu lugar”.                                                                                               e fico vendo ela voar)